O que se entende por fatores psicossociais de risco?

Risco Psicossocial é tudo aquilo que é interrelacionado com os fatores psicológicos e sociais podendo desencadear consequências positivas ou negativas para a saúde e a segurança de trabalhadores.

Fatores com consequências positivas são aqueles que colaboram para obtenção de uma melhor qualidade de vida. Já os fatores com consequências negativas, dizem respeito àqueles que possuem potencial para causar danos às pessoas, pois são fontes de estresse.

Deste modo, quando nos referimos aos fatores de riscos psicossociais ou fatores psicossociais de risco associados ao trabalho, estamos pensando no aspecto profissional que envolve o ambiente de trabalho, a cultura, a dinâmica organizacional, os valores e papéis intrínsecos ao trabalho.

Entretanto, o conceito de risco psicossocial se estende a outros aspectos da vida, como as relações familiares e sociais, já que devemos pensar o homem como um ser biopsicossocial.

Aline Jacinto aponta em sua tese de mestrado os “Riscos psicossociais no trabalho em altura e transtorno mental comum em portuários”, 2016, que os transtornos mentais ocupam a “terceira principal causa de concessão de benefícios previdenciários para trabalhadores com registro formal”, com influência diretamente na saúde psíquica do trabalhador e origem nas constantes pressões, tensões, estresse, conflitos e outros fatores adversos.

Recentemente, a Organização Internacional do Trabalho (OIT), divulgou em sua página do Faceboock que morrem 2,78 milhões de trabalhadores por ano em decorrência de doenças e acidentes ocupacionais. E mais. Segundo a mesma publicação, as doenças e os acidentes no trabalho têm um impacto econômico anual de 2,99 trilhões de dólares ou 3,45 do PIB mundial.

E muito importante salientar ainda que, não raro, o sofrimento psíquico além de manifestar-se por meio da doença, aparece também em diversos indicadores organizacionais quando levantados, apontando alta rotatividade no quadro de funcionários, absenteísmo, afastamento no trabalho, baixa motivação para a função,  insatisfação e redução do desempenho, resultando em grandes perdas para a organização, para o trabalhador e a sociedade em geral quando consideramos o efeito dominó de inúmeras situações que vêm atingindo grandes proporções por falta de investimentos na prevenção.

Nós, psicólogos, gestores de pessoas e técnicos de segurança do trabalho e até órgãos governamentais, nos deparamos, assim, com o desafio de trabalharmos mais para mapearmos os riscos psicossociais intrínsecos às determinadas classes de trabalho, considerando o trabalhador como um ser integral, de modo que se desenvolvam modelos de gestão mais humanizados promovendo saúde, qualidade de vida, bem-estar e segurança no trabalho.

Desta forma, podemos concluir que para construirmos um país economicamente saudável e sustentável é URGENTE trabalharmos mais com a prevenção.

 

Iara Maria Alves Pereira

CRP. 06/69640

 

Bibliografia

Jacinto, A. (2016). Riscos psicossociais no trabalho em altura e transtorno mental comum em portuários. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Organização Internacional do Trabalho (2017, setembro 18). Saúde e Segurança do Trabalho [Facebook]. Recuperado de https://www.facebook.com/oitbrasilia/?hc_ref=ARRgonvM7fN-mU5EX5MULzHSOnWWsFeiwEs0nlUsYiY9s02PfN-e1ERgRhCi3ZVI4ZM&fref=nf&pnref=story

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *